salvador

salvador

Salvador, antiga Cidade da Bahia, estado da Bahia.

16h ago
SOURCE  

Description

Montada sobre uma espécie de promontório, a hoje capital da Bahia foi o primeiro grande empreendimento português nas Américas, e, assim o foi pela necessidade estratégica de apoio às grandes caravanas com destino à Índia, além do excelente porto natural que é. Há um aspecto geográfico de extrema relevância nas Grandes Navegações, intrinsecamente ligado ao descobrimento e colonização do Brasil, quase sempre ignorado na esmagadora maioria dos livros de História: o ciclo das correntes marítimas no Atlântico Sul. Há uma rotatória marítima que convencionaremos o seu começo à altura da Ilha Fernando de Noronha, e rumando pro sul, começa a se distanciar da costa empurrada por outra corrente vinda do sul, à altura de Ilhéus, em direção ao leste, mais precisamente, à ponta sul do continente africano, à altura da África do Sul. Essa corrente, em alguns pontos, chega a alcançar uma velocidade de 40 quilômetros por dia; hoje desprezível, mas de suma importância numa navegação em que se passavam dois meses entre Lisboa e Salvador. Voltando ao ciclo das correntes, ao chegar à África do Sul, ela é desviada pela fria corrente de Benguela, facilitando a navegação pela costa africana, rumo norte, ou seja, de volta -- e não de ida -- da Índia. Na costa equatorial da África, o movimento se mantém, agora em direção a oeste, e recebe a denominação de corrente equatorial, a mesma que, no movimento para o norte, levou Colombo até as ilhas da América Central, e que no movimento para o sul, trouxe os portugueses até Fernando de Noronha. Esse é o Caminho da Índia descoberto por Vasco da Gama, que trouxe os portugueses para o Brasil, e acabou por consolidar-se na construção da Cidade da Bahia, hoje Salvador, primeiro centro de apoio às navegações e capital da colônia. Fato reforçado pela importância da cidade em se manter livre de outra dominação que não a mesma de Portugal, e pela posição como centro da reação brasileira em prol da Restauração portuguesa, de 1640. Por ser uma cidade planejada, uma fortaleza, nota-se certo rigor técnico no seu centro histórico, o que é completamente abandonado logo a seguir, quando a cidade ultrapassa os limites da área estrita do governo e do porto.